F

13 março 2017

Março (2017) | Novidades Grupo Editorial Record

 









O assunto de Ferrugem é a paisagem humana, os grandes dramas corriqueiros, a vida que passa. Desfilam pelos contos personagens ímpares, insuspeitas, inesquecíveis, ainda que aparentemente comuns: a moça soropositiva, caixa de supermercado, que reencontra o antigo namorado; a cobradora de ônibus que dá conselhos amorosos a um passageiro; o cantor de boate que imita Roberto Carlos. O valor literário dos contos não está em tramas surpreendentes ou inusitadas, mas na alta-voltagem poética que a voz do narrador consegue extrair de situações vulgares.














Os milhões de leitores das aventuras de Fernão Capelo Gaivota encontram novas palavras de inspiração, além de momentos da mais prazerosa leitura, em Ilusões, um dos maiores sucessos de Richard Bach, que, há quase três décadas, vem motivando pessoas em todo o mundo com a emocionante história do encontro com um messias moderno.
Neste livro que se segue a Fernão Capelo Gaivota, Richard nos transporta na cabine de um biplano até um lugar onde conhece Donald Shimoda, ex-mecânico que faz as ferramentas voarem, a imaginação do autor viajar e os leitores viverem uma vida muito mais feliz e completa. 
Autor consagrado e piloto apaixonado por aviões, Bach, que sintetizou nas aventuras da mais famosa das gaivotas os sentimentos, as ambições, os medos e os objetivos de toda uma geração, reflete sobre a condição humana, sobre seus anseios e mistérios em uma história inesquecível, que mudou, para melhor, a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.








Em seu livro Ilusões, best-seller internacional que se seguiu à publicação do consagrado Fernão Capelo Gaivota, Richard Bach narra uma história fantástica que coloca em cheque nossa visão de mundo, sugerindo que o que chamamos de realidade é, na verdade, uma ilusão criada para nos permitir viver uma vida de aprendizados e diversões. 
Em O fim das ilusões, Richard Bach narra o diálogo que travou com os personagens mais famosos de seus livros nos meses em que ficou em coma após um acidente aéreo gravíssimo. Durante essa experiência de quase-morte no hospital, enquanto suas criações literárias o ajudavam a curar seu corpo, sua mente e sua alma, ele teve um reencontro com o Messias, que o guiou no caminho da libertação do mundo das ilusões.













Baladas proibidas conta a história real de um jovem do interior de São Paulo que descobriu o universo das raves e das drogas sintéticas, virou traficante e se tornou o Rei do Ecstasy. Em uma vida que desafia a passagem do tempo, dia e noite deixam de ser referências, o prazer parece não conhecer limites e tudo é muito rápido, alucinante e superlativo, drogas, álcool, festas, sexo, carrões e iates em meio a mortes, prisões e extorsões.
Neste livro, o comércio de substâncias proibidas não é aquele que interrompe a tiros a paz ilusória de nossas cidades ou que nos choca, à distância, pelos jornais e pela TV. Gabriel Godoy, o protagonista que relata sua história ao jornalista e escritor Bolívar Torres, poderia ser nosso filho, ou um primo ou sobrinho nosso, morador do subúrbio ou do interior.











Nos anos 1930, já tendo se tornado em tudo um ditador, Stalin empregava o terror como método de governo, justificando-o como maneira de preservar a revolução dos ataques de seus inimigos internos e externos. Ao mesmo tempo, fomentava um culto à liderança que o transformou em uma espécie de deus, a inspirar ativistas e simpatizantes ao redor do mundo. 
Com base em numerosos documentos originais russos e outras fontes do Leste Europeu, liberados após o fim da União Soviética, além de muitos outros documentos alemães, americanos e ingleses, o historiador best-seller Robert Gellately delineia as origens da crescente influência internacional do tirano, que se inicia nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial e permanece mesmo após sua morte, em 1953. O autor ainda examina o papel central desempenhado por Stalin, com consciência estratégica, no trabalho de implementar o comunismo na Europa e em todo o mundo, de maneira que, ainda hoje, muitos milhões de pessoas aguentam nos ombros seu legado, ou sua maldição.








Uma obra que abre importante debate sobre a velhice solitária, a crueldade dos asilos para idosos, a eutanásia e o suicídio. Em um ensolarado domingo de setembro de 2014, Nelson Irineu Golla, 74 anos, atendendo à súplica da esposa, Neusa, 72, abraça-se a ela com uma bomba de fabricação caseira junto ao peito e acende o pavio. Embora pareça um romance, O último abraço é uma grande reportagem, cujo motivo é o desejo dos protagonistas de morrer. Ela, depois de dois AVCs, definha numa clínica para idosos; ele, inválido de um braço, não suporta mais vê-la implorando com os olhos para que a matem. O caso, que ficara conhecido na Justiça como "um Romeu e Julieta da terceira idade", é aqui reconstituído por Vitor Hugo Brandalise nos mínimos detalhes.













Uma análise das tensões na escrita de Graciliano Ramos. Organizado pelo crítico literário, acadêmico e escritor Benjamin Abdala Júnior, este livro reúne doze ensaios sobre as tensões na escrita de Graciliano Ramos propiciadas pela linguagem artística do escritor.  Os autores pertencem ao grupo de pesquisa USP/CNPq "Estudos comparados: Graciliano Ramos - Pontes literárias, socioculturais e com outras artes", e o repertório literário crítico aqui presente estabelece pontes com outros campos artísticos, como o do cinema e das artes plásticas, além de outras áreas do conhecimento, como a sociologia e a política. Benjamin Abdala Júnior (org.) é crítico literário, acadêmico e escritor.












Joshua tem 13 anos e mora com a mãe e o padrasto em Amarias, um lugar isolado no topo da montanha, onde todas as casas são novíssimas. Na fronteira da cidade, há uma barreira bem alta, guardada por soldados fortemente armados e que só pode ser cruzada através de um posto de controle. Ninguém deve entrar naquele lugar, e quem está lá não tem permissão para sair. Desde pequeno, Joshua sabe que, do outro lado daquela muralha, há um território violento e implacável e que O Muro é a única coisa capaz de manter seu povo em segurança. Desde pequeno, ele sempre ouviu que, do outro lado, havia um território proibido, um lugar violento e perigoso, do qual um garoto como ele deveria manter distância. Um dia, a bola de Joshua cai do outro lado do Muro e, ignorando tudo o que sempre ouviu, ele vai atrás dela e acaba descobrindo um túnel que o leva a uma realidade que jamais imaginou encontrar. Lá ele acaba caindo nas mãos de uma gangue sanguinária, mas a bondade de uma menina salva sua vida. Porém isso acaba desencadeando um ato de extrema crueldade e coloca Joshua em dívida com ela... Uma dívida que ele fará de tudo para pagar.







A vida da pintora “Charlotte” Salomon, morta em Auschwitz. Uma tragédia familiar pouco antes da Segunda Guerra Mundial marca a vida da pequena “Charlotte”, que já dava indícios da realizada artista que viria a se tornar. Obcecada pela arte e pela vida, a jovem, progressivamente excluída de todas as esferas sociais alemãs com a ascensão do nazismo, teve que abandonar tudo para se refugiar na França. Exilada, ela inicia uma obra pictural autobiográfica de uma modernidade fascinante. David Foenkinos coloca em suas próprias palavras um tributo original, apaixonado e vivo a “Charlotte” Salomon. Esse romance assombroso e redentor, pautado na vida da trágica figura real que lhe serve de protagonista, é o relato de uma busca. Da busca de um escritor obcecado por uma artista.














Considerado o marco inicial da segunda fase do Modernismo brasileiro, A bagaceira inaugura o ciclo do “romance nordestino” dos anos 1930. A história se passa entre 1898 e 1915, os dois períodos de seca. O enredo central gira em torno do triângulo amoroso entre Soledade, Lúcio e Dagoberto. Soledade, menina sertaneja, retirante da seca, chega ao engenho de Dagoberto, pai de Lúcio, acompanhada de vários retirantes: Valentim, seu pai, Pirunga, seu irmão de criação, e outros que fugiam da seca. Lúcio e Soledade acabam se apaixonando. Mas a relação entre os dois ganha ares dramáticos quando Dagoberto violenta Soledade e faz dela sua amante.













A vida da prostituta mais procurada da fictícia Halimunda, Dewi Ayu, e das quatro filhas é marcada por estupros, incestos, assassinatos e fantasmas, muitas vezes vingativos. Astuta, destemida e engenhosa, Dewi levanta-se do túmulo após 21 anos para contar a própria história e desvendar alguns mistérios. Mas talvez a principal razão para o forte desejo de voltar à vida seja visitar sua quarta filha, a quem ela deu à luz antes de morrer. Seu nome é Beleza, mas foi abençoada com a feiura que Dewi tanto desejou para afastar a família da maldição da beleza. 
Ao contar essa história, Eka Kurniawan, o aclamado escritor indonésio, faz uma crítica mordaz ao passado conturbado da sua jovem nação: a ganância do colonialismo; a luta caótica para a independência; a ocupação japonesa; o assassinato de um milhão de “comunistas” em 1965, seguido por três décadas de governo despótico de Suharto.













“Bartleby era um desses seres sobre os quais nada se pode dizer com certeza, exceto quando colhido nas fontes originais, que em seu caso eram por demais exíguas. Tudo o que sei de Bartleby é o que testemunhei com meus próprios olhos atônitos, a não ser por um rumor vago, que aparece no epílogo.”




















Os excluídos da história analisa três grupos sociais periféricos, operários, mulheres e prisioneiros, na França do século XIX. Leitura essencial, ilumina não apenas a maneira como o poder se desdobra de modo pragmático e simbólico, mas também a beleza da resistência e da rebeldia de indivíduos e grupos marginais. O livro é composto por artigos selecionados pela professora Maria Stella Martins Bresciani, que também assina a introdução e a orelha.
















Encontre a editora:






14 comentários:

  1. Adorei conhecer seu blog e estou te seguindo.
    Se quiser conhecer o meu e retribuir, ficarei feliz. Bjos
    Isis - minhaestantecolorida.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá,

    Adorei conhecer os lançamentos do Grupo Editorial Record, vejo que a editora está lançando vários livros e isso é muito de se admirar. Fiquei bem interessado pela obra A Beleza é Uma Feria, vou aguardar a resenha, adorei! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  3. Olá
    Gostei muito de vários dos lançamentos, tenho vontade de conferir em especial A Bagaceira e a história da Eutanásia, que é um assunto que me interessa muito.

    ResponderExcluir
  4. Gente, que máximo! Tem uma medida certa nesses lançamentos entre nacionais e importados. A editora está de parabéns! Adorei as novidades! Normalmente eu reclamo que é só importado, mas dessa vez tenho que parabenizar!

    bjos

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?
    Gostei bastante dos lançamentos, já anotei algumas dicas para compras futuras ♥
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela parceria com a editora e fiquei querendo muito ler aquele livro do graciliano ramos, ótima postagem.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. OLá,

    Parabéns pela parceria.
    O catálogo esse mês está bem recheado e para todos os gostos. Gostei bastante de Ferrugem e Ilusões que tem sinopses que despertaram meu interesse.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi, parabens pela parceria e obrigada pelas dicas ;) Anotando alguns já. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Adorei os lançamentos, não sei qual comprar, já que todos são maravilhosos, pena que são os olhos da cara rs

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?

    Infelizmente nenhum livro para o mês de março chamou minha atenção. Vou aguardar os de abril, rs.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Sempre gosto de ver post assim para saber o perjuiso da minha carteira kkmas desta vez ainda bem isso não aconteceu. Mas espero que os escolhidos por você sejam uma ótima leitura.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Oiii!

    Primeiramente parabéns pela parceria! Infelizmente esse mês nenhum desses livros me atraiu. Mas que sabe com resenhas, né??

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  13. Oiee, fiquei curiosa para ler a Beleza de um aferida, gostei da sinopse e achei pertinente o tema abordado, me parece uma boa pegada reflexiva sobre um tema bem polemico.

    bjs jany

    www.leituraentreamigas.com.br

    ResponderExcluir
  14. Heiii, tudo bem?
    Como sempre a Record arrasa com o Catalogo, gostei das publicações, ainda mais esse que mostra as operarias mulheres.
    As capas estao lindas.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo ao meu blog.
Sua opinião é muito importante, mas se lembre que respeito é bom e eu gosto!
Seguiu? Deixa o link que eu sigo de volta. E também retribuo os comentários.

Obrigada por vir até meu cantinho!