F

05 agosto 2016

Resenha - Os invernos da ilha

Título: Os invernos da ilha
Autor: Rodrigo Duarte Garcia
Editora: Record
Páginas: 462
Gênero: Romance
Ano: 2016
Skoob

(cortesia da editora)

Sinopse: Romance de estreia do jovem autor Rodrigo Duarte Garcia tratado desde já como o Conrad brasileiro, Os invernos da ilha é um livro de aventura, como não há no Brasil, que reúne um herói atormentado (e logo apaixonado), uma ilha fria e hostil escolhida como exílio (num convento misterioso), a descoberta de um diário de piratas (e, assim, a reconstrução de uma incrível história de corsários) e a busca por um tesouro escondido. Como diz Martim Vasques da Cunha no texto de orelha: Rodrigo já pertence à categoria dos mestres. Os invernos da ilha costura Wallace Stevens, Melville, Conrad, Patrick OBrien, os filmes de Indiana Jones, Os Goonies sobrando até mesmo para o compositor Rachmaninoff , com tamanha habilidade, que o leitor ficará atônito ao perceber que, no meio disto tudo, há a alegria de narrar uma verdadeira história.



O que despertou meu interesse em Os invernos da ilha, foi a sinopse e sua promessa de muita aventura, com a reconstrução de histórias de corsários e uma caça ao tesouro. A obra vai um pouco além disso e embora minhas expectativas fossem boas, acabei não gostando de tudo que o livro apresentou. Em sua estreia, Rodrigo escreveu um bom livro e merece muitos elogios, porém, não me envolvi completamente nessa viagem.


A trama gira em torno de Florian Links, que narra sua chegada à ilha isolada de Sant’Anna Afuera, onde decidiu morar em um mosteiro, tornar-se monge e refletir sobre seu passado. Contudo, para tornar-se monge necessitaria de um tempo de experiência até a decisão final. Logo no primeiro dia na ilha ele conhece o professor e antropólogo Philippe Rousseau, a quem passa a trocar diálogos irônicos. Rousseau está estudando o diário do holandês Oliver Van Noort, um corsário que de acordo com as escrituras históricas de seu relato, havia invadido a ilha em 1600 e em uma fuga às pressas teria jogado um grande tesouro ao mar. Mas conforme acredita o professor, o tesouro poderia ter sido escondido na ilha, uma vez que havia diferenças de dados nos registros. 

Florian acaba se interessando pelos estudos de Rousseau, e juntos, por meio de um misterioso poema que ao que tudo indica é a principalmente pista para o tesouro, irão investigar onde essa riqueza poderia estar escondida na ilha. Portanto, partindo dessa premissa, o autor trabalha com contextos históricos, onde descreve as navegações e aventuras dos piratas holandeses do século XVI, ao mesmo tempo que desenvolve os anseios e dúvidas do protagonista no momento presente. 

A ideia de ter uma ilha isolada como pano de fundo e histórias antigas de navegações é muito interessante, e torna-se totalmente claro no decorrer da obra, o quanto o autor realizou uma pesquisa trabalhosa para isso. Não há como negar, sua narrativa é excelente, com riqueza de detalhes e os pensamentos mais íntimos do protagonista. Porém, tantos detalhes e descrições de contextos históricos acabou por tornar a leitura mais lenta e cansativa. As primeiras cem páginas foram muito maçantes, até que a história começou realmente a me prender. 


A melancolia das reflexões de Florian foi o que me instigou a continuar a leitura. Carregando uma enorme culpa de acontecimentos do passado, ele narra suas reflexões com total intensidade. Florian é um homem cheio de dúvidas, culpas e comete seus erros como todos nós. O desenvolvimento desse personagem me agradou bastante. O professor Rousseau, confesso, me desagradou até metade do livro com todo o seu egocentrismo. Mas aos poucos a convivência com esse personagem foi me agradando. O clima de aventura na busca pelo tesouro ficou mais presente depois de muitas e muitas páginas. Mas quando enfim apareceu, tornou a narrativa um pouco mais ágil e interessante, e como descrevia a sinopse: me lembrou bastante Indianas Jones. 

"Talvez fosse a reação natural de desejar com maior intensidade o que nos é tirado, mas, caminhando no meio da mata com o conforto do Santíssimo à frente, passo a passo consolidava-se a certeza de que partir era apenas péssimo; sair vagando por essa ilha semipolar, em busca de um tesouro pirata, beirava a insanidade." (p. 306)

Os invernos da ilha é um livro para ser lido com calma e paciência. Se as primeiras páginas não agradarem, em determinado momento a leitura pode te fisgar. Não me envolvi tanto com a obra quanto gostaria, mas cada leitor tem seu ponto de vista. Esse livro de certo não agradará quem procura por uma obra mais leve, rápida e com grandes reviravoltas e surpresas, mas pode ser proveitosa para quem quer desbravar uma história de aventura com um rico conteúdo histórico e, claro, toda a melancolia do protagonista. Por ser uma obra nacional e a estreia do autor, ainda quero desbravar outros livros e ver o que Rodrigo ainda tem para nos mostrar.






22 comentários:

  1. Olá Letícia
    eu já conhecia esse livro só pela capa, mas a premissa não chamou muito a minha atenção. Gostei de alguns detalhes que você citou, mas ainda assim não sei se leria. Claro que achei legal ter aventura juntamente com um bom conteúdo histórico. De qualquer maneira, desejo sucesso para o autor.
    beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá Letícia,
    Já ouvi falar desse livro e não fiquei muito empolgada com a leitura. Apesar de eu não desistir de uma leitura, não gosto de começar livros que sei que demorarão a engatar e é isso que sinto em relação a esse livro.
    Vou deixar essa dica passar.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu li esse livro tem algum tempo e me fascinei pelo enredo. Achei a história muito gostosa de acompanhar e cheguei a torcer para que eles encontrassem o tesouro. Eu adorei o final, mesmo com todos os imprevistos eu achei muito bacana. O que mais me agradou foi o livro ser tão bem escrito.

    ResponderExcluir
  4. Olá.
    Já tinha visto a capa desse livro em alguns sites de compras e blogs, mas nunca parei pra ler nem a sinopse devido a capa "sem gracinha". E tá aí uma prova de que não devemos julgar um livro pela capa.
    Fiquei bastante curiosa com o enredo inovador e diferente do que vemos. Saber que o autor investiu para tornar sua obra mais rica e cheia de detalhes me deixa ainda mais curiosa.
    Não tenho problemas com começos maçantes quando a história é boa, e esta parece ser uma história muito boa. Mas após concluir a leitura do 4º livros de Ar crônicas de gelo e fogo, vou precisar de uma leitura mais leve. Então Os invernos da ilha ficará para um futuro distante.

    Confissões de uma Mãe Leitora

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    Eu realizei essa leitura há uns dois meses atrás e amei bastante. Não achei o livro tão arrastado quanto algumas pessoas acharam, muito pelo contrário, eu estava deslumbrada com o caráter reflexivo e a genialidade do autor em escrever essa obra. Fiz uma entrevista com ele e ele demorou MUUUUUUUUUITO pra escrever. Mas isso traduz como o livro é impecável em construção de narrativa, roteiro e personagens. Parabéns pela resenha. :)


    beijos :D

    ResponderExcluir
  6. Olá
    Eu desconhecia a obra apesar dela ser bem recente. Sou muito viciado em livros que tem caça Tesouro rsrs, e com isso o livro já me ganha um ponto. Achei bem atrativa a sinopse assim como vc tmbm achou e foi persuadida a ler. É uma pena as suas expectativas não terem sido sanadas. Mas mesmo com isso você ainda indica a obra, então sem dúvidas eu irei ler e vê se amo ou se não dá história escrita. Até mais vê
    Bjks

    ResponderExcluir
  7. Então, existem livros assim mesmo, que precisam de muita calma, atenção e dedicação para a leitura. As vezes é bom dar uma quebrada naquele ritmo frenético que as vezes temos de só ler livros rápidos e super exitantes. As vezes o cérebro e os nervos precisam de uma pausa, não é mesmo?
    Gostei muito de sua resenha.

    Um beijo!

    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi Letícia! Tudo bem?
    Não conhecia o livro e o autor. Amei a sinopse do livro, amei a capa e a diagramação está fantástica. Adorei sua resenha e pretendo ler para tirar minhas conclusões! Ainda mais por ser nacional a curiosidade é dobrada! Dica anotadíssima!
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Eu já tinha visto algumas resenhas sobre esse livro e na verdade ele não me chamou a atenção. Até porque no começo eu já perderia a paciência e não iria querer nem terminar a leitura. Apesar de você falar que mais para a frente ele pode te fisgar a qualquer momento, tive uma impressão bem ruim que será difícil de tirar.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Tenho um pouco de receio co livros que não nos conquistam desde o primeiro paragrafo mas costumo insistir e me surpreender. Acho que seria o caso deste livro aqui. Acho a capa simples, mas bem bonita.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, Leticia!
    Ultimamente tenho me deparado com leituras como a que você descreveu: muito descritivas durante um longo tempo, tornando as primeiras cem páginas maçantes. Felizmente, até agora, o que veio depois compensou. Gosto de aventuras e gostei do lado mais reflexivo do personagem. Só não leria no momento pelo que já citei, o fato de ter lido em um curto espaço de tempo outros livros que demoram a engrenar.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  12. Olá Letícia,
    A capa do livro já tem um "que" de mistério já adorei.Sou fascinada por aventura.Amei a sinopse,é tão bom ter livros como esse nacionais.Espero ler logo.
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  13. Hey!
    Eu gosto tanto de leituras leves quanto as mais detalhadas, afinal, dependendo do tipo de história, acho que um pouco mais de aprofundamento é necessário. Eu não ligo de demorar algum tempo para terminar um livro, por isso, eu arriscaria na leitura desse, principalmente porque o tema me agradou bastante, uma vez que nunca li nada sobre piratas e tudo mais, adoraria começar. Para um estreia, aparentemente o autor teve bastante sucesso com o seu livro, gostaria de dar uma chance para a história e tirar as minhas próprias conclusões.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Eu acho a premissa desse livro bem interessante, e tenho visto ótimos comentários sobre ele na blogosfera.
    O autor realmente deve ter feito uma grande pesquisa para criar essa história e isso com certeza deve ter deixado a obra mais rica.
    Narrativa com muitos detalhes e descrições não me agradam, acabo achando maçante. Mas acho que daria chance a esse livro, mesmo com o início mais lento.
    Adorei sua resenha e já anotei a dica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    A sinopse desse livro me deixou bem empolgada, mas sua resenha diminuiu as expectativas, já que não é um estilo de livro ao qual eu esteja acostumada... Ainda assim vou querer ler e descobrir essa aventura, até porque gosto de livros que tragam certa pesquisa histórica.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi!!!

    Letícia, ao ler sua resenha percebi que não conseguiu se envolver da forma que gostaria, mas mesmo assim me vejo lendo esse livro. O autor traz uma promessa diferente e instigadora e confesso que estou enjoada de alguns estilos literários repetitivos e maçantes. Obrigada pela dica e, mesmo as primeiras páginas sendo um pouco complexas ou talvez maçantes estou interessada na obra. Beijos!

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Gosto de histórias reflexivas, mas sinceramente esse livro não me chamou a atenção, ainda mais por conter tantas partes melancólicas. Gosto de livros mais intensos com ação, suspense... De qualquer forma, obrigada pela dica! Bjos

    ResponderExcluir
  18. Sabe que gostei da premissa deste livro. Achei ele bem longo até mas acho que gostaria pela solidão dos personagens e a ilha em si. Seria mais uma narrativa filosófica me parece e realmente deve ter alguns pedaços mais cansativos, mas gostei!

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.blogandolivros.com

    ResponderExcluir
  19. Hun, gostei do plot, mas o fato de você falar que tem que ter paciência pra leitura engrenar me deixa meio receosa. Não curto muito isso. Eu sou muito dispersa, se a história não me fisga no início eu tenho um certa dificuldade pra continuar. Às vezes até consigo, mas pego meio que bode, aí já viu, aumenta e muito a tendência de não curtir. Aí mesmo tendo achado o plot interessante, vou passar a dica pra frente.

    ;D
    Nelmaliana Oliveira

    ResponderExcluir
  20. Oie, tudo bem? Eu já tinha visto a capa desse livro por aí mais não sabia muito sobre o conteúdo dele. Achei interessante o enredo e as reflexões que o livro apresenta. Mesmo tendo uma leitura mais arrastada dr início tenho certeza que ficaria fisgada por essa história.
    Já adicionei a minha lista.
    Bj

    ResponderExcluir
  21. É uma pena que esse livro, que aparentemente mostrava uma história com aventuras tenha te decepcionado, pela narrativa do autor não ser tão envolvente. Não gosto de livros e personagens melancólicos, por isso tenho certeza que para mim a escrita seria bem cansativa, não despertou meu interesse

    ResponderExcluir
  22. Oi Leticia, tudo bem?
    Eu já tinha ouvido falar brevemente sobre esse livro e confesso que não chama minha atenção, parece ser uma leitura mais densa e não quero isso no momento. Uma pena que ele não chamou tanto tua atenção, quem sabe não estava no momento para lê-lo, né? Mas talvez um dia dou uma chance a ele.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo ao meu blog.
Sua opinião é muito importante, mas se lembre que respeito é bom e eu gosto!
Seguiu? Deixa o link que eu sigo de volta. E também retribuo os comentários.

Obrigada por vir até meu cantinho!